A falta de pavimentação nas ruas Sabará e Itabira, localizadas na divisa dos bairros Paturá e Setiba Ville deixa os moradores praticamente ilhados dentro de suas casas.  As vias são cheias de buracos e poças enorme de lama que as tornam intransitáveis.

Os moradores afirmam que a falta de pavimentação impede que ônibus e transporte escolar circulem pelas ruas. Foto: Whatsapp.

Um morador, que prefere não ser identificado, relatou que a falta de pavimentação impede que o transporte coletivo circule nas ruas. “É uma situação precária. O transporte coletivo e as vans de transporte escolar se recusam a passar por lá por conta da situação da rua. No ano passado nos reunimos com os secretários da prefeitura e ficou acordado que o ônibus passaria pela rua Itabira e que haveria pavimentação básica, mas até hoje não foi feito. Para os moradores conseguirem pegar o ônibus tem que passar por dentro das lagoas de lama”.

Ele também afirmou que além da lama, os matos tomaram conta das ruas. “A Codeg não limpa aquelas ruas. A gente pede para limpar  eles falam que não tem condições. Ela é a única que a maioria dos moradores pagam IPTU então deveríamos receber a contrapartida do município. Amo onde moro e não tenho que me sentir mal em morar no meu bairro porque o município não prove o que é de obrigação dele. O prefeito nunca esteve em nosso bairro e alguns vereadores estiveram lá e não fizeram nada”, desabafou o morador.

O presidente  da Associação de Moradores, Mario Lúcio Santos Lopes, afirmou que o bairro tem mais de 40 anos, mas em todo esse ano não houve melhorias na região. Ele afirmou que protocolou um ofício na prefeitura em fevereiro de 2017 pedindo a pavimentação das vias  e a construção de uma praça no bairro, mas não obteve retorno.

Além da lama, o mato alto também está tomando conta das ruas. Foto: Whatsapp

“Nós ficamos aguardando que fosse entrar no orçamento participativo este mês, mas não entrou. As ruas estão intransitáveis e a praça não queremos mesmo que faça porque nós mesmos estamos aterrando e vamos começar a fazer com nossos recursos. Eles vieram aqui falaram que iriam fazer e até agora nada. Estamos abandonados, lamentou Lopes”.

Iluminação. A vice-presidente da Associação de Moradores, Maria Antônia Ribeiro, de 47 anos, mora na rua Itabira há 8 anos. Ela disse que nunca viu nenhuma melhoria na região e  que os moradores das duas vias sofrem com a falta de iluminação pública.

“Não temos iluminação pública nenhuma. Fiquei quatro anos correndo atrás de iluminação para puxar energia para minha casa porque  diziam que era área de preservação e só consegui através de liminar judicial. Tem um vizinho que fez o pedido em dezembro e não teve resposta até agora.  Tenho duas crianças em casa e um idoso e sem energia ficamos em uma insegurança muito grande. Já chegaram a invadir minha laje durante a madrugada”, disse Maria Antônia.

O Portal 27 procurou a prefeitura para saber qual a previsão da realização da pavimentação e capina das ruas  e recebeu a seguinte resposta:  “A Secretaria Municipal de Obras Públicas (Semop) informa que no momento não há previsão de obra na região, mas o local será levado em estudo de viabilidade técnica e financeira para obra posterior. Informa ainda que rua solicitada será incluída no cronograma de serviços para realização de paliativo. Um novo levantamento de ruas está sendo realizado para abertura de procedimento licitatório para pavimentação de vias no município. 

Companhia de Melhoramentos e Desenvolvimento Urbano – Codeg esclarece que realiza a limpeza e capina do local conforme cronograma pré estabelecido. Na próxima semana irá ao local para avaliação da situação e agendamento das ações”.

Nossa reportagem também questionou a administração municipal e a EDP Escelsa sobre a falta de iluminação pública e foi informada que “Diretoria de Iluminação da CODEG esclarece que os postes existentes com rede de baixa tensão(220V) são de responsabilidade da companhia, porém, é necessário que os contribuintes formalizem os pedidos na sede da Codeg ou por meio do telefone 3361-5592.

Novas extensões de rede de baixa tensão para atendimento a novas unidades consumidoras deve ser solicitada a EDP Escelsa”, diz a nota da prefeitura. 

Já a concessionária de energia não respondeu nossos questionamentos.