Antes da crise vivida nos últimos dois anos, ainda em 2013, uma parceria entre Governo do Estado e Prefeitura de Guarapari viabilizou a instalação do que foi chamado na época de Polo Industrial. O dinheiro, cerca de R$ 4,9 milhões foi liberado pelo Estado e a prefeitura chegou a desapropriar uma área entre a BR-101 e o Contorno da Rodovia do Sol, próximo a Taquara do Reino, mas desde então, pouca coisa mudou.

polo
Parceria entre Governo do Estado e Prefeitura de Guarapari viabilizou a instalação do que seria um Polo Industrial como este da foto.

A prefeitura chegou a divulgar que 18 empresas se mostraram interessadas em fazer negócios no polo, mas até hoje o que se percebe é que o projeto está parado. De acordo com o vice-presidente institucional da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), Fernando Schneider Kunsch, a instalação de um polo de industrias no município seria fundamental para geração de empregos e um passo para a retomada do desenvolvimento econômico da região.

fernando
“Nós entendemos que independentemente da crise, esta seria a hora de se preparar para a retomada do crescimento.”, explica Fernando Kunsch,

“Nós acompanhamos há bastante tempo as discussões sobre a instalação do polo em Guarapari. É muito importante e gerou muitos elogios a decisão da prefeitura. Nós entendemos que independentemente da crise, esta seria a hora de se preparar para a retomada do crescimento. Para se ter uma ideia, em 2014 590 empresas ligadas à indústria geravam 4 mil empregos na cidade. É claro que o panorama hoje é outro, mas certamente a instalação deste aparelho na região seria um atrativo a mais para a cidade”, explicou Kunsch.

Foto Fernando Sindicig
“Guarapari precisa de diversificação de mercado, já que aqui só existe a indústria da construção civil”, explica Fernando do Sindicig.

Kunsch disse ainda que a Findes continua parceira da prefeitura e atuará da forma que precisar para que o projeto do Polo siga em frente. Fernando Otávio, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Guarapari (Sindicig), afirma que o momento é de urgência.

“O polo foi lançado como industrial e logístico, por causa de sua localização e Guarapari precisa de diversificação de mercado, já que aqui só existe a indústria da construção civil, que depende do turismo. Hoje acontece de produtos de granito, por exemplo, serem exportados pelo Ceará porque não há logística local para isso ”, completou.

Mas para a prefeitura, este não é o momento para levar à frente a implantação do Polo Industrial. Em nota o município informou o seguinte: “A Prefeitura esclarece que o momento não é oportuno para o lançamento do projeto, porém, todas as etapas de licenciamento estão concluídas e o Município, de forma alguma, abandonará o projeto”.

Deixe seu comentário