O zika vírus avança pelo país e assusta moradores. A Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou emergência internacional. A rapidez com que o vírus se disseminou pelas Américas e a explosão do número de casos de microcefalia no Brasil justificam a decisão. Para combater o mosquito Aedes aegypti, os governos federal e estadual adotaram novas medidas, como o combate forçado dentro das casas e a distribuição de repelentes para gestantes.

Dengue2
Os agentes só poderão entrar após terem feito duas visitas, com notificação prévia, em intervalo de 10 dias.

A medida provisória assinada na última sexta-feira (29) pela presidente Dilma Rousseff e publicada no Diário Oficial desta segunda (1º) autoriza que agentes entrem nas residências se ninguém for localizado antes. Os agentes só poderão entrar após terem feito duas visitas, com notificação prévia, em intervalo de 10 dias. Já os imóveis abandonados, tanto os públicos quanto os privados, serão identificados pelas características físicas e relatos de vizinhos.

Segundo o Ministério da Saúde, dos 10,9 milhões de imóveis visitados até o momento, 2,7 milhões estavam fechados. Os focos do mosquito são encontrados, em sua grande maioria dentro das casas das pessoas e não na rua.

Distribuição de repelentes

O Espírito Santo é o primeiro Estado do país a comprar repelentes e distribuir para gestantes que fazem o pré-natal na rede pública de saúde. O objetivo é evitar que as grávidas contraiam o zika vírus, prevenindo assim possíveis casos de microcefalia em bebês em gestação.

repelente
O produto já está sendo enviado para os municípios.

Até a última quinta-feira (28), a Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo registrou 1.507 casos suspeitos de infecção pelo zika vírus, sendo 13 confirmados laboratorialmente (10 em Vitória, 01 em Vila Velha, 01 em Cariacica e 01 em Aracruz). Foram notificados 53 bebês, entre nascidos e em gestação, com suspeita de microcefalia, mas ainda sem confirmação de relação com o zika vírus.

“Todas as gestantes atendidas na rede pública de saúde dos 78 municípios capixabas serão contempladas com repelentes. Além do uso do repelente, as gestantes devem se proteger com medidas individuais, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de mangas compridas. Mas a principal medida é eliminar os focos de água parada. Esta limpeza deve ser feita toda semana, sempre no mesmo dia”, disse o secretário de Estado da Saúde do Espírito Santo, Ricardo de Oliveira.

O produto já está sendo enviado para os municípios, que receberão também uma nota técnica com esclarecimentos sobre o uso do repelente na gestação e orientações sobre a entrega às gestantes durante as consultas de pré-natal.

Deixe seu comentário