A Vigilância Sanitária, em meio à pandemia do Covid-19, forneceu nessa sexta-feira (03) orientações sanitárias para o funcionamento dos estabelecimentos essenciais, como supermercados. Dentre elas, destaca-se o uso de álcool em gel para higienização de mãos.

Limpeza. O Ministério da Saúde recomenda que, para higienização de mãos, sejam utilizados pelos funcionários e clientes dispenser de álcool em gel e toalhas de papel descartáveis. A Vigilância Sanitária orienta aos supermercados que façam todos os esforços para evitar aglomerações, mantendo em seu interior pessoas distantes umas das outras a, pelo menos, um metro e meio de distância.

Punições. A Vigilância esclarece que o estabelecimento que descumprir os atos oficiais e regulamentos específicos de boas práticas para manipulação de alimentos pode sofrer punições por infração sanitária, ficando sujeito a penalidades como multa, interdição e até mesmo o cancelamento da licença.

O Ministério da Saúde recomenda que, para higienização de mãos, sejam utilizados pelos funcionários e clientes dispenser de álcool em gel e toalhas de papel descartáveis.

Álcool líquido. Nas últimas semanas, o ministro da saúde Luiz Mandetta mostrou preocupação diante do uso de álcool líquido nas residências. “Fico muito preocupado com a venda de álcool líquido, da população levando garrafas de álcool para casa”, afirmou Mandetta.

A recomendação de Mandetta é fazer uso de água e sabão quando não há álcool em gel. É sabido que o sabão dissolve a camada de gordura que envolve o vírus.

“Eu tenho a preocupação de quererem usar como fogareiro, ou lavarem as mãos das crianças, e aí fumarem perto do álcool. A última coisa que estamos precisando neste momento é tratar queimaduras, que mais usam CTI, ventiladores”, completa o ministro da saúde. A recomendação de Mandetta é fazer uso de água e sabão quando não há álcool em gel. É sabido que o sabão dissolve a camada de gordura que envolve o vírus.