A concentração para caminhada será hoje (26), às 15h, no começo da Praia do Morro, em frente ao Hotel Porto do Sol, onde os participantes sairão pela orla vestidos de rosa e vendendo lanche: água, sorvete, gelatina, bolo de pote, etc.

A iniciativa é do projeto Beija Flor de Guarapari, que tem o objetivo de ajudar as pessoas em vulnerabilidade social. Nesse caso, o intuito é contribuir com as despesas das famílias da menina Pamella Sabino, 9 anos, diagnosticada com um câncer no baço e no pescoço. E Kelly Santos, 27 anos, diagnosticada com câncer de mama.

Kelly 27 anos e Pamella 9 anos, ambas lutam pela vida e contra o câncer.

As duas são de Guarapari e estão fazendo tratamento pelo SUS em Vitória, porém os gastos com deslocamento e medicação estão altos. Todo valor arrecadado com a venda será dividido para as duas famílias.

Conheça a história delas

Kelly Santos, 27 anos, diagnosticada com câncer de mama. Casada e mãe de 2 filhos ela luta contra a doença. Foto Acervo pessoal / créditos Nádia fotógrafa.

Kelly Santos é casada, mãe de uma menina de 2 anos e um menino de 7 anos. Ela e o seu marido trabalhavam com delivery de macarrão na chapa. 

Em fevereiro deste ano, após fazer exames, kelly recebeu o resultado da biópsia após realizar o exame de ultrassonografia, porque sentia dores fortes na mama e descobriu a doença.

“Eu recebi o resultado da biópsia dia 18 de fevereiro, eu estava com câncer (carcinoma ductal  invasivo estagio 3) em estado avançado com receptor HER2 positivo, se trata de um câncer mais agressivo e começou minha luta. Meu nódulo  maior media 8cm e o menor 2cm. Dia 27 de fevereiro eu já iniciava minha primeira quimioterapia e foram assim 8 sessões”, contou.

Os cabelos começaram a cair e veio a mudança no corpo.

“Eu perdi todos os meus cabelos, pêlos do corpo,inchei 20KG, passei muito mal. Fiz exames e cada exame era um desespero, sempre surgia novas notícias não muito boas”.

Kelly faz o tratamento pelo SUS, porém em alguns casos opta por fazer exames particulares.

 “É tudo muito demorado. Então exames como ultrassonografias, tomografias, ressonâncias e alguns  outros eu pago particular, porque às vezes você fica meses esperando um exame, que no meu caso não pode esperar se tratando  de algumas intercorrências que tenho tido ao longo do tratamento”.

Ela contou que no dia 28 de agosto fez mastectomia – cirurgia para retirada da mama. E nesse mês passou por outro procedimento.

 ” Mais uma vez o sofrimento aumentou, pois é uma fase delicada e difícil para qualquer mulher. Quando recebi a segunda biópsia descobri que a mama toda estava com focos de câncer e também havia contaminado os linfonodos que temos debaixo do braço, e então dia 9 de outubro fiz a segunda cirurgia.

Na última quimioterapia, antes da cirurgia foi dia 6 de agosto.  Em breve inicio as sessões de radioterapia e a seguir, mais um ano de quimioterapia e acompanho 2 nódulos no fígado  que ainda não sabemos a procedência ao certo”.

“O choro pode durar, mais a alegria  vai chegar!”

“O que eu diria para as pessoas é que quando descobrimos um câncer é como se você  perdesse o chão que você pisa, a aparência muda e com isso a autoestima fica super baixa, são dias escuros, de luta e perseverança, mais manter o foco é necessário para a cura. Vão existir dias de sorrisos, dias de lágrimas e dor, mais vai existir Deus em todos os dias. Carregando no colo e cuidando de cada ferida! O choro pode durar, mais a alegria  vai chegar!Se ame, valorize as pequenas coisas, aproveite  sua família e se cuide, com saúde não se brinca! Talvez se eu tivesse procurado um médico no princípio não teria se agravado!Reclame menos e valorize mais a sua vida,Existe pessoas assim como eu que quer tanto viver !”

Pamella Sabino, 9 anos atualmente não está mais indo a escola, porém a cada 15 dias recebe as tarefas em casa. Sua mãe Leidiane Sabino Matos, 26, contou que os médicos descobriram a doença em janeiro deste ano.  A menina foi diagnosticada com câncer no baço e no pescoço.

Pamella Sabino, 9 anos diagnosticada com câncer no baço e no pescoço. Ela e sua família lutam contra a doença. Foto: acervo pessoal.

Pamella raspou a cabeça, segue em tratamento e continua brincando com sua irmã mais nova. “Minha filha se alimenta, brinca, faz de tudo! Ela é muito animada, e se junta com a irmã, minha filha de 5 anos e brincam muito. Ela está em busca da plena recuperação”.

Segundo Leidiane, o médico acredita que sua filha Pamella tenha câncer desde os 3 anos, pois foi descoberto em estado avançado.

A menina está passando pelo processo de quimioterapia, que são 10 etapas de medicação e ela está no 7º.  Após feito isso, ela vai refazer todos os exames, para definir se será necessário passar pela radioterapia, contou a mãe.

“Com uma semana de tratamento já começou cair o cabelo da minha filha, depois ela mesma pediu para cortar no pescoço. E com o passar do tempo ela pediu para raspar a cabecinha”.

No começo do tratamento, embora seja todo pelo SUS, a família teve muitos gastos com transporte de Guarapari para Vitória.

” A gente estava gastando R$ 1300 com pedágio e gasolina todo mês. Até que descobri a Acacci e optei por ficar lá com minha filha nos períodos de tratamento. Eles não nos cobram nada e fornecem o quarto e alimentação. É muito bom”.

Serviço

Caminhada pela vida

26/10 sábado

15h saída em frente ao Hotel Porto do Sol / Praia do Morro

Venda de lanches para ajudar as famílias das vítimas de câncer.

Deixe seu comentário