A Eco 101 se manifestou nesta tarde, após um protesto organizado por moradores do bairro Reta Grande, ocorrido na manhã desta sexta-feira (05), no qual pediam pela construção de um túnel que ligasse os dois lados da comunidade, já que é dividido ao meio pela rodovia.

Na nota enviada a Eco 101 alegou que a construção de um túnel, além de ser inviável tecnicamente e não estar prevista no contrato, também precisaria de autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), necessitando de desapropriação de casas e terrenos.

Manifestação organizada pelos moradores da comunidade na manhã desta sexta-feira.

Porém, ciente dos riscos que possam existir no local, a Eco 101 avisou que o local ainda passa por obras, ainda serão instaladas placas de sinalização e implantadas duas lombadas para redução de velocidade, medidas estas que contam com anuência da Polícia Rodoviária Federal.

Além disso a concessionária avisou que enviou, no dia 09 de fevereiro deste ano, uma carta para a ANTT, na qual especificou a necessidade de uma passarela no local, como existem em outros 19 pontos da BR-101, porém ainda aguarda a autorização do órgão para que possa começar as obras.

Críticas aos protestos

Na mesma nota enviada ao Portal 27, a Eco 101 ainda fez algumas críticas sobre a manifestação da população de Reta Grande, alertando que tem mantido o diálogo aberto e constante com a comunidade, porém não aprova protestos que possam prejudicar a circulação de veículos, a segurança viária ou causar qualquer tipo de depredação de patrimônio.

Por fim, a concessionária informou que comunicou à Polícia Rodoviária Federal (PRF) para que acompanhasse o protesto e identificasse os responsáveis por meio das câmeras de monitoramento do local, com a Eco 101 podendo tomar medidas legais cabíveis, caso julgue necessário.

Confira a nota na integra.

A Eco101 respeita toda e qualquer tipo de manifestação, e tem mantido diálogo constante com a comunidade, por meio de várias reuniões junto à Associação de Moradores e representantes do Legislativo, orientando-os sobre os seus limites contratuais e os procedimentos a serem seguidos, relativos aos temas pleiteados pelos moradores do bairro como passagens para pedestres e veículos. Entretanto, ressalta-se que estas não podem prejudicar a circulação de veículos, a segurança viária ou causar qualquer tipo de depredação de patrimônio, crime previsto na legislação.

A Concessionária informa que comunicou à Polícia Rodoviária Federal (PRF) para acompanhar o protesto e identificar os responsáveis por meio das câmeras de monitoramento existentes no local. Poderá, ainda, a Concessionaria tomar todas as medidas legais cabíveis em relação a manifestação para garantir a segurança viária, trafegabilidade da via e dano ao patrimônio público.

Com relação a travessia pretendida pela comunidade, não prevista contratualmente e inviável do ponto de vista técnico (para se ter espaço necessário à passagem dos veículos, demandaria desapropriação de moradias), a empresa reitera que a comunidade deve manter diálogo com a ANTT, ente responsável por analisar e, se possível, promover as alterações contratuais necessárias ao atendimento do pleito.

A Eco101 ainda reforça que o local está em obras e contará com sinalização específica para alertar aos condutores sobre a velocidade de segurança naquele trecho, além da implantação de duas lombadas para diminuição do risco de acidentes no entorno da comunidade; cabe salientar que o projeto de sinalização, bem como as lombadas propostas para redução da velocidade, contaram com a anuência da PRF.

Com relação à reivindicação de passarela, a Concessionária esclarece que em 09 de fevereiro de 2021, encaminhou carta para a Agencia Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), explicando a necessidade de implantação de uma passarela na Comunidade e solicitando a aprovação desta Agência para que possa ser feito a inclusão desse investimento no Contrato de Concessão, uma vez que, a Concessionária já implantou 19 passarelas ao longo da BR-101 previstas no contrato de concessão. Desta forma, para que seja autorizada a implantação de outro dispositivo não previsto em contrato, a Concessionária aguarda manifestação da Agencia Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Deixe seu comentário