Uma reunião do Conselho Municipal de Transito (Comutran) de Guarapari realizada ontem (08), discutiu o reajuste da passagem do Transporte Coletivo Municipal na cidade. O reajuste é anual e previsto no contrato assinado após a empresa Expresso Lorenzutti, vencer a licitação do transporte público em 2016. A passagem atualmente custa R$ 2,80. 

Na reunião do Conselho que conta com Secretários Municipais, representantes do SETPES, do gabinete do prefeito,  da Famompog, do Sintrovig e da associação dos motoristas de Táxi de Guarapari,foram apresentadas e discutidos valores para o reajuste da passagem.

Valores. Entre os novos valores discutidos estavam R$ 3,63 e R$ 3,55. Esses valores foram rechaçados pela representante da Federação dos Movimentos Populares de Guarapari (Famonpog), Lucia Novaes.

Entre os novos valores discutidos estavam R$ 3,63 e R$ 3,55. Foto João Thomazelli/Portal27

A Famonpog apresentou a proposta de manter o reajuste realizado em 2016. Um reajuste de cerca de 30 centavos, levando a passagem para R$ 3,10 agora em 2018. Ao final da reunião, os secretários votaram pelo valor proposto pela Famompog e os representantes do Sintrovig e do Setpes votaram pelo valor de R$ 3,55. 

Equilíbrio financeiro. Também consta na ata da reunião que seja feita uma auditoria no contrato, visando o atendimento da clausula de equilíbrio financeiro do contrato e revisão da tarifa, devendo ser ainda elaborada a planilha pela prefeitura. Aprovado pelo Comutran, o reajuste da tarifa agora depende de ser aprovado pela prefeitura de Guarapari. 

Resposta. Procuramos a prefeitura para saber quando esse aumento passará a valer e fomos informados que “Esse valor ainda não foi aprovado pelo prefeito, apenas foi aprovado pelo Conselho Municipal de Trânsito (Comutran). O valor aprovado pelo Comutran foi abaixo do valor proposto em reunião.  A Lei Complementar Nº 002/2006 prevê anualmente o reajuste tarifário do transporte coletivo municipal. O Comutran tem representantes do poder público, sindicatos de empresas e trabalhadores, e da sociedade civil organizada.”

Deixe seu comentário

Comments are closed.