Em denúncia ao Portal 27, familiares de detentos do Centro de Detenção Provisória de Guarapari reclamam que os presos estão em “más condições”. De acordo com a esposa de um dos detentos, os presos ficam cerca de 15 horas sem água para beber e se higienizarem, mesmo em meio à pandemia da Covid-19.

CDP de Guarapari. Foto: Google/Weverton Patrocínio

Os familiares também alegaram que as visitas estariam sendo dificultadas, celas com muitos detentos e faltas de materiais de higiene, entre outras reclamações.

Em resposta ao Portal 27, a Secretaria da Justiça (Sejus) nega as alegações, apesar de ter afirmado que o fato chegou a ser registrado na Corregedoria da pasta que já realizou diligências na unidade, mas que não foi comprovada a veracidade da denúncia.

A Sejus esclareceu que o abastecimento de água no Centro de Detenção Provisória de Guarapari segue “dentro da normalidade” e que a situação relatada pelos familiares “não condiz com a realidade aplicada nas unidades prisionais do Estado”. A Sejus reitera que atua em consonância com a Lei de Execução Penal e com respeito aos direitos da pessoa humana.