Além dos moradores de Guarapari que se mobilizam para fazer uma manifestação amanhã (16), contra o decreto que estabelece novas regras de embarque e desembarque dos ônibus intermunicipais em Guarapari, moradores de Anchieta também se mobilizam para lutar contra o decreto.

Na terça-feira dessa semana (13), moradores das comunidades de Mãe-Bá, Parati e Ubu, foram até a Câmara Municipal pedir ajuda aos vereadores de Anchieta. “Estamos envolvido nisso desde a manifestação passada. Nos mobilizamos e lutamos contra esse decreto e conseguimos derrubar ele na época. Na outra vez pedimos apoio ao prefeito Marquinhos Assad, que nos ajudou com advogados e dessa vez estamos tentando envolver o novo prefeito e os novos vereadores, para que eles abracem  essa causa”, explica Silvio Costa que é líder comunitário em Mãe-Bá.

Na terça-feira dessa semana, moradores das comunidades de Mãe-Bá, Parati e Ubu, foram até a Câmara Municipal pedir ajuda aos vereadores

Silvio diz que muitos moradores dessa região e também os de Porto Grande em Guarapari, serão prejudicados com esse decreto. “A maioria dos moradores daqui trabalha na região de Meaípe e Nova Guarapari. Hoje pagamos apenas uma passagem de ida e outra de volta. Se o decreto começar a valer, vamos ter que pagar uma passagem para o Rodoshopping, depois outra para voltar, fora a taxa de embarque. Estaríamos pagando três valores. Íamos pagar seis valores no final do dia. Isso é um valor absurdo e nenhum empregador ia querer empregar alguém da nossa região. O prejuízo vai ser muito grande pra gente”, explica.

Silvio diz que muitos moradores dessa região e também os de Porto Grande em Guarapari, serão prejudicados com esse decreto.

Guarapari. Silvio acha que Guarapari terá muitos prejuízos econômicos com esse decreto. “Além de trabalhar ai, os moradores de nossa região consomem e compram produtos em Guarapari, tais como roupas, supermercados. O movimento é muito grande para Guarapari. Eu creio que vai morrer o Centro de Guarapari se esse decreto for válido. Ninguém daqui vai mais para Guarapari. Vão matar os comerciantes de Guarapari”, desabafa.

O vereador Geovane Meneguelle, um dos que está ajudando os moradores de Anchieta, diz que vai buscar entendimento junto ao prefeito e aos vereadores de Guarapari. “O decreto apesar de ser de Guarapari, afeta de uma forma muito pesada os municípios do entorno. A primeira coisa que eu fiz foi pegar uma cópia do decreto para poder ler e saber o teor. Nós já sabemos o transtorno que deu. A pessoas destas regiões em Anchieta, que trabalham em Guarapari, tem como única forma de transporte, o transporte intermunicipal. E é completamente inviável a pessoa pegar um transporte para ir para Meaípe e ter que ir para o terminal rodoviário na BR 101 e depois voltar”, diz o vereador.

“Temos que buscar o entendimento do que é mais viável para o terminal de Guarapari, mas principalmente para a população”

Lei. Geovane lembra que Piúma também passou por situação parecida, que foi resolvida através de uma lei municipal. “Na época eu trabalhava em Piúma e isso foi resolvido através da Câmara. O erro foi que antes de estabelecer o contrato, deveria haver uma lei regulamentando todos os pontos. Estou tentando conversar com os vereadores de Guarapari para propor essa lei. Temos que buscar o entendimento do que é mais viável para o terminal de Guarapari, mas principalmente para a população”, explica o vereador.

“Temos que buscar o entendimento do que é mais viável para o terminal de Guarapari, mas principalmente para a população”, explica o vereador Geovane

Geovane pretender unir os vereadores de Anchieta para tomar providências. “Estamos estudando o decreto para tentar entrar com uma ação judicial, para que de imediato a justiça possa suspender esse decreto. Fomos informados que o Ministério Publico teria proposto uma ação para a suspensão deste decreto. Se isso aconteceu, não é conveniente propor outra ação. Vamos tomar ciência sobre isso e procurar fortalecer o Ministério Público para evitar um embaraço jurídico” Disse.

Segundo Geovane o ideal é o diálogo. “Vamos tomar ciência do teor do que o MP está pedindo, para depois saber o que vamos fazer junto com as associações de moradores. Mas vamos buscar o diálogo entre os municípios”, disse. Confira o vídeo com parte do discurso do vereador