Além dos táxis e do Uber, Guarapari agora conta com mais uma opção para quem não quer depender do transporte coletivo, o mototáxi. O serviço foi criado há três meses por um grupo de moradores dos bairros Bela Vista, São Gabriel e Camurugi e já conta com 15 integrantes.

O mototáxista Leandro Santana, de 28 anos, explicou que a ideia surgiu como uma alternativa para o desemprego. “Tive a ideia porque percebi a falta de emprego aqui no Espírito Santo e como já trabalhei muito tempo nessa área e tenho bastante experiência, resolvi trazer para Guarapari que é uma cidade turística e tinha a carência desse serviço”.

Este é o primeiro mototáxi implantado em Guarapari. O serviço teve início há três meses e já conta com 15 integrantes. Foto: Rafaela Patrício

O baiano Tailan de Jesus, de 24 anos, é um dos mototaxistas. Ele relatou que nunca tinha trabalhado com isso antes, mas estava desempregado há um ano e por isso, decidiu tentar essa nova experiência. “Eu decidi abraçar a oportunidade do mototáxi sabendo que com isso iria poder trazer o pão para dentro de casa. Fui atrás da melhora de vida mesmo porque o mototáxi ajuda bastante. Todo mundo no grupo estava desempregado e trabalhar no mototáxi é uma melhora de vida não só para a gente, mas também para a população que está aderindo o nosso serviço”.

Mulheres. Caroline Pereira dos Santos Mota, de 21 anos, começou a trabalhar como mototaxista nesta segunda-feira (18). Ela contou que também não tem experiência com mototáxi, mas viu no grupo uma oportunidade de voltar ao mercado de trabalho. “Comecei por falta de oportunidade de emprego. Uma amiga conhecia um dos rapazes, passou meu número e eles me chamaram. Vou tentar para ver se dá certo. Acho que vai ser bem legal porque tem mulher que não gosta de ir na garupa de um homem que não conhece então vai se sentir mais à vontade”, explica ela.

Segundo Leandro, o grupo pretende criar uma associação e tentar legalizar o serviço na cidade. Foto: Rafaela Patrício

Segundo Leandro, este é o primeiro grupo de mototaxistas da cidade e  atua em todos os bairros de Guarapari e também em Vitória e o preço é bem acessível. “A gente oferece entrega de documentos, malotes e passageiros. O valor cobrado depende do quilômetro percorrido, mas é a partir de R$ 3,00”.

O serviço mototáxi ainda não foi regularizado em Guarapari, mas Leandro, que é um dos líderes do grupo  afirmou que eles pretendem legalizar o serviço. “A gente está procurando todas as saídas possíveis para legalizar o mototáxi. Estamos nos organizando para formar uma associação primeiro e assim reunir a documentação necessária para isso”, disse Leandro.

Clandestino. O Portal 27 procurou a prefeitura para saber se existe algum projeto para legalizar o serviço na cidade e foi informado que “a Secretaria de Fiscalização esclarece que o serviço de mototáxi não é regulamentando no município, sendo este considerado transporte clandestino de passageiros. Ainda não há previsão da regulamentação deste tipo serviço no município.

 
A utilização de transportes clandestinos, seja por vans, carros de passeio ou motocicletas coloca em risco a integridade física dos passageiros ou servem vítimas de uma ação de criminosos. É importante que os usuários busquem sempre o transporte regular e legalizado pelo município, com veículos dotados de padronização visual, uniforme, taxímetro de uso obrigatório e placas do município.
 
Denúncias podem ser efetuadas à Secretaria de Fiscalização no telefone (27) 3361-4929 33361-9580, informando maior o número de detalhes como número da placa do veículo, local de embarque, data e horário de embarque, trecho da “corrida”, valor cobrado e características do veículo”.

Comments are closed.