De que lado você está? O governo diz: “volta às ruas que eu converso”. As esposas dos policiais militares dizem: “conversa que eu volto às ruas”. E o capixaba, de que lado está?

A crise na segurança pública capixaba ultrapassa as fronteira do Espírito Santo e coloca o Brasil contra a parede. Se a Polícia Militar vencer mandará um recado claro às outras polícias: Se nos unirmos paramos o Brasil. Se o Governo do Estado vencer mandará um recado aos outros Governos: Fiquem firmes que o tempo joga ao nosso favor.

É certo que historiadores e acadêmicos em geral desenvolverão teses sobre esse momento que vivemos. Para contar essa história, no futuro, precisaremos da mesma prudência que precisamos agora e não encontramos. Se olharmos para o passado, encontraremos vários episódios de impasse que resultaram em violência e tensão na sociedade.

Se passarmos os olhos nas bibliotecas particulares dos líderes políticos mundiais encontraremos várias publicações com referências ao impasse em Cuba na década de 60 que servem como estudo de caso para muitos ‘negociadores’ nos dias de hoje. O impasse e a necessidade de se declarar vencedor levaram, naquele momento, a uma situação grave. Quem cedesse ficaria marcado na história como derrotado. Uma solução precisava ser encontrada e para isso uma conversa foi marcada.

Marcelo Paranhos é Jornalista

Após um intenso diálogo entre os envolvidos, mediado por interlocutores habilidosos, um acordo foi sacramentado. Oficialmente os russos retiraram os mísseis da ilha de cuba que estavam apontados para os Estados Unidos e os americanos se comprometeram, oficiosamente, a não invadirem Cuba e retirar parte dos seus mísseis na Turquia.

Dessa forma ambos os lados se declararam vencedores. O derrotado, naquele período, foi a população que teve que conviver com os efeitos oficiosos. Hoje, precisamos que o impasse no Espírito Santo seja resolvido. As consequências? Vamos conviver com elas durante muito tempo ainda.

De que lado o povo está? Do lado de dentro de casa.

Marcelo Paranhos
Jornalista e professor de Comunicação

Deixe seu comentário

Comments are closed.