Na tarde desta sexta-feira (24) agentes da Delegacia de Crimes Contra a Vida (DCCV) apresentaram Jeferson Vinício Silva Santos, 22 de anos, Jeferson Emílio dos Santos, de 22 anos, Washington de Jesus Almeida de Oliveira, mais conhecido como “Jacaré”, de 28 anos, e Tiago Freitas Marinho, de 22 anos, como responsáveis pelo tiroteio que aconteceu abril, no Centro, durante uma briga de gangues rivais e resultou no roubo de dois carros, uma moto e ainda deixou uma mulher ferida.

Segundo a polícia, Washington de Jesus Almeida de Oliveira, Tiago Freitas Marinho, Jeferson Emílio dos Santos e Jeferson Vinício Silva Santos (da esquerda para a direita) são alguns dos responsáveis pelo tiroteio que aconteceu no Centro, em abril. Foto: Rafaela Patrício

Segundo o delegado da DCCV, Tarik Souk, além dos quatro presos, também participaram do tiroteio Jhon Weny Pimentel de Oliveira, de 24 anos, Mateus Monteiro Silva, de 28 anos e Rafael dos Santos Pereira, de 22 anos, que estão foragidos. “Solicitamos a população que caso saiba do paradeiro desses indivíduos colabora ligando para o Disque-Denúncia (181) e a identidade será preservada”.

Tarik explicou que Rafael, Jeferson Vinício, Jeferson Emílio e Tiago são do bairro Adalberto Simão Nader e no dia do tiroteio estavam no Citroën e Washington Mateus e Jhon Weny são dos bairros Coroado e Olaria e estavam no Celta Preto.“Dentro do Celta estava o Jhon Weny e seus comparsas. Eles efetuaram diversos disparos contra os indivíduos do Citroën, que também atiraram contra o Celta e fugiram. Nessa fuga eles rouparam dois veículos e uma motocicleta e conseguiram empreender fuga”.

O delegado relatou com foi a dinâmica do crime. “São grupos rivais do tráfico de drogas. O grupo do Adalberto Simão Nader foi até Olaria e encontro com o grupo que domina aquela região. Ali teve um primeiro tiroteio e depois eles se deslocaram até o Centro, onde houve uma perseguição e o trânsito parou. Nisso o Celta parou atrás do Citroën e eles iniciaram o tiroteio. Infelizmente, uma motorista que estava no meio foi atingida”.

Mateus Monteiro Silva (camisa listrada), Rafael dos Santos Pereira (sem camisa e com cordão. Ele tem uma tatuagem no peito) e Jhon Weny Pimentel de Oliveira (algemado) estão foragidos.

“Segundo um dos indiciados, eles foram até o bairro Olaria para ajudar um companheiro deles para manter a sua boca de drogas e também estava sendo ameaçado de morte. Eles não revelaram quem era esse indivíduo, mas foram ajudar no combate contra o inimigo dele. Porém, eles foram atacados e a perseguição continuou até o Centro, onde houve o tiroteio”, revelou Tarik.

De acordo com o delegado, após o tiroteio um dos grupos roubou dois veículos e uma moto para fugir. “O grupo que estava no Citroën roubou um Kia Picanto branco e seguiu até Meaípe, onde bateram e o veículo acabou quebrando. Aí eles roubaram um Fiesta vinho e depois o abandonaram no barranco e fugiram a pé pelo mato.

Os quatro homens apresentados hoje pela DCCV já estavam presos por outros crimes. “Um deles estava respondendo por tráfico de drogas e os demais por uma tentativa de latrocínio. Mas eles têm diversas passagens por tráfico, roubo e até homicídio”, afirmou Tarik.

O Citroën usado pelo grupo do Adalberto Sião Nader durante o tiroteio ficou cheio de marcas de tiro. Foto: Rafaela Patrício

A reportagem do Portal 27 tentou ouvir os detidos, mas apenas Washington quis se manifestar. Ele alegou ser inocente.

“Não tenha nada a ver com isso. Os policiais estão de perseguição comigo porque fui preso em um duplo homicídio que eles estão investigando. Eu trouxe a prova para cá, o rapaz que estava trabalhando lá em casa veio aqui e falou com eles. O Policial que foi me entregar a intimação também viu que eu estava trabalhando lá em casa e estava todo sujo, mas agora estão me envolvendo nisso”, disse Washington.

Ele ainda confessou ser usuário de drogas. “Estou preso porque eles encontraram uma quantidade de drogas na minha casa e colocaram 33 (artigo 33 do Código Penal, que prevê pena para o tráfico de drogas), mas já fui no Fórum e vai cair para o 28 (artigo 28 do Código Penal, usuário de drogas)

Washington alega ser inocente e disse que no dia do tiroteio estava trabalhando em uma obra em sua casa.

Apesar de Washington afirmar inocência, o delegado garante que ele participou do crime. “Ele já é um conhecido da delegacia. Foi apontado como o autor de um determinado homicídio aqui e também foi preso por tráfico de drogas aqui em Guarapari. Ele também está envolvido com o tráfico de Olaria. Estamos na fase de levantamento de informações e investigação. É uma prisão temporária, mas há indícios de que ele estava dentro do veículo Celta”

O delegado disse ainda que os quatro vão cumprir a prisão preventiva e serão autuados em diversos crimes. “Eles foram presos temporariamente por 30 dias e essa prisão pode ser prorrogada por mais 30 dias, mas serão indiciados por tentativa de homicídio. Os indivíduos que estavam no Citroën também serão indiciados por roubos dos três veículos, por porte de arma de fogo porque foi encontrado armamento dentro do Citroën quando foi abandonado e também por tráfico de drogas porque havia uma certa quantidade de cocaína dentro do veículo”.

Comments are closed.