Ela só queria curtir as férias e registrar bons momentos ao lado da família em Guarapari. Mas, depois que voltou para casa, o que a professora Alessandra Guimarães Luiz, moradora de Brasília, encontrou registrada em seu celular, deixou-a assustada.

Ao ver as fotos que tinha tirado no dia 2 de julho, mais precisamente as 18h23, ela ficou intrigada. Na foto aparece a imagem de uma mulher, que segundo ela, não estava no momento da foto e que muitos acreditam ser um “fantasma”.  A foto rodou as redes sociais e os sites de notícia, gerando muitos comentários.  O portal 27 entrou em contato com a professora, que nos contou a história da foto com o “fantasma”. Confira abaixo uma entrevista com ela.

Fantasma
Na foto aparece a imagem de uma mulher, que muitos acreditam ser de um “fantasma”. Foto: Alessandra Guimarães Luiz

Você estava sozinha na hora das fotos?

Eu estava com meu marido e filho de 5 anos. Resolvemos ir passear aí por causa das férias.

Quando percebeu que tinha um “fantasma” na foto?

Quando estava em casa, aqui em Brasília, vendo as fotos que tinha tirado nas férias. Não vi nada quando olhei as fotos em Guarapari. Estava tirando fotos da lua para postar no face de um grupo que participo. Postei no grupo perguntando o que as pessoas achavam que era e aí bombou! Deu mais de 1.100 comentários. Não sabia que o povo ia comentar tanto.

Fantasma Lua
Professora só queria tirar a foto da lua. Foto: Alessandra Guimarães Luiz

Parece uma mulher né?

É o que todos dizem. Eu achei muito estranho quando olhei a foto em casa. Na realidade gostaria muito de saber quem é essa “pessoa”. Porque juro que não vi ela quando tirei a foto. Até na segunda foto, tem duas pessoas andando na calçada e eu esperei para não sair ninguém na foto. Gostaria que alguém visse a foto e reconhecesse a pessoa.

Então você acredita que é um fantasma?

Quando vi a foto pensei logo que era um fantasma. Me deu medo, confesso. Porque parece que ela está fazendo pose para minha foto.

Alessandra Guimarães
Alessandra se assustou com a foto do “fantasma” no seu celular.

Acontecem coisa estranhas com você? Desse tipo?

Não. E nem quero. (Risos)

Perdeu alguma amiga ou parente recentemente?

Eu perdi uma prima e uma tia. Mas faz mais de um ano.

Qual a sua religião?

Sou mórmon, mas não sou atuante.

Então, você acredita em fantasmas ou não?

Acredito que exista muitas coisas neste mundo que não conseguimos explicar.

Quando o espírito “aparece” é com algum intuito

Para entender um pouco mais sobre o assunto de fantasmas e espíritos, o portal 27 conversou com Paulo Henrique Machado Guanandy, presidente do Grupo Espírita Allan Kardec de Guarapari. Ele explicou – do ponto de vista espírita – a aparição deste “fantasma”.

Os espíritos estão no meio de nós?

Para o entendimento de tal questão, é necessário um profundo estudo a cerca da existência dos espíritos, mas o que podemos afirmar por hora é que, a crença nos espíritos necessariamente se funda na existência de um princípio inteligente fora da matéria (O Livro dos Médiuns, cap. I). Por isso os espíritos são os seres inteligentes do Universo (O Livro dos Espíritos, questão 76), ou seja, cada um de nós é um espírito criado por Deus.

Paulo
Paulo Henrique Machado Guanandy, presidente do Grupo Espírita Allan Kardec de Guarapari.

Quando não estamos animando um corpo material, estamos ocupando o espaço extracorpóreo. Que é um espaço em outra dimensão diferente daquilo que conhecemos como matéria ou uma localidade no espaço vista aos olhos materiais. Esses dois mundos, corpóreo e extracorpóreo, se interligam, ou seja, se misturam. E os espíritos podem estar no meio de nós, sim.

Porém para manifestarem-se através das aparições, é necessário utilizarem-se de uma parte semi material, ao qual damos do nome de Perispírito, que o acompanha desde a sua criação. Na definição de Allan Kardec “Envolvendo o gérmen de um fruto há o perisperma; do mesmo modo, uma substância, que por comparação, pode-se chamar de Perispírito, serve de envoltório ao Espírito propriamente dito” (O Livro dos Espíritos, questão 93)

Câmeras fotográficas e agora celulares com câmera podem fotografar espíritos?

Então, o que pode ser fotografado é o “perispírito” e não o espírito. Sem o perispírito não poderíamos visualizar o Espírito em sua essência. O perispírito individualiza-o. Verifica-se, assim, o importante papel que exerce o perispírito. Acompanhando o Espírito possibilita ao mesmo, elementos de manifestação e progresso no plano material. Hoje em dia com o progresso da ciência e da tecnologia, os equipamentos tem recursos diversos que podem fotografar o espírito.

Allan Kardec
Allan Kardec, fundador da doutrina espírita.

O espirito que se deixa aparecer, ou é mesmo a tecnologia que consegue ver o que o olho comum não pode?

É uma ação da vontade do Espírito com a permissão de Deus. Nem todos estão aptos a manifestarem-se. As manifestações podem ser através de ruídos, sons, aparições, etc. O que não podemos, é nos deixar levar pelo fantástico, pelo mágico, pelo medo ou pela simples curiosidade. Quando o espírito “aparece” é com algum intuito, geralmente de trazer algum ensinamento para os “encarnados”. Há que se observar esta questão, para que não classifiquemos o ocorrido como aparição, sendo que pode ser uma ação do próprio equipamento, da luz, da sombra, etc.

Não estou afirmando que nesse caso seja um espírito ou que seja um efeito do equipamento, apenas para que não nos deslumbremos ou julguemos ser algo impossível. Para que o espírito se manifeste, antes de mais nada tem que ter um objetivo; ou seja , qual a real necessidade para que isto ocorra. No passado os fenônemos foram necessários para que a humanidade fosse despertada para a existência de algo além da matéria, hoje em dia o que mais nos importa é tratarmos de nossas mazelas íntimas, tendo como roteiro os ensinamentos deixados por Jesus.

 

Deixe seu comentário