O Tribunal de Contas do Estado (TCES) vai recorrer da decisão que o juiz Gustavo Marcal da Silva e Silva, da Vara da Fazenda Pública Estadual, Municipal, Registros Públicos e Meio Ambiente proferiu, determinando que seja feita uma nova análise, por um perito particular, nas contas do prefeito relativas ao ano de 2012.

Juiz determinou que seja feita uma nova análise, por um perito particular, nas contas do prefeito relativas ao ano de 2012.

Rejeitadas. Essas contas foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas, que alegou que neste ano, os gastos com educação não atingiram o percentual exigido por lei, de 25% (vinte e cinco por cento) e foram gastos apenas de 24,17% (vinte e quatro, dezessete por cento). Com essas contas rejeitadas, Edson pode ficar inelegível e não disputar a eleição deste ano.

Erros. O juiz Gustavo Marçal diz que pode haver erros do Tribunal de Contas (TCES) e quer uma perícia para saber se Edson gastou ou não gastou o mínimo exigido na educação. “Em relevo à natureza da questão posta, defiro o pedido formulado pelo requerente de produção de prova pericial econômica/financeira/contábil, franqueando, ainda, a documental suplementar para ambas as partes.”

Agravo de Instrumento. Procurada pelo Portal 27 a corte de contas respondeu que “O Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo informa que a Procuradoria Geral do Estado, representante da Corte no âmbito judicial interpôs Agravo de Instrumento no Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo em face da decisão interlocutória concessiva da tutela provisória de urgência, na modalidade antecipada, proferida pelo Juízo da Vara da Fazenda Pública Estadual da Comarca de Guarapari (ES) e aguarda manifestação do relator”.