O sonho de ter uma casa própria acabou para as 20 famílias que invadiram um terreno particular nas imediações do bairro São Gabriel, em Guarapari. Na manhã de hoje, por volta das 8 horas, o processo de reintegração de posse do terreno foi posto em prática por determinação judicial.

desocupação2Com a decisão em mãos, o Oficial de Justiça notificou os moradores e com a chegada da Tropa de Choque, os moradores começaram a retirar móveis e pertences de dentro dos barracos. Pouco antes do começo da ação, os ocupantes do terreno se reuniram com os defensores públicos para saber exatamente o que estava para acontecer.

Não houve resistência por parte dos moradores. A única alteração foi um barraco que acabou sendo incendiado, mas a construção estava vazia e ninguém se feriu.

Policial explica como vai ocorrer a desocupação dos barracos. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Policial explica como vai ocorrer a desocupação dos barracos. Foto: João Thomazelli/Portal 27

Aos poucos, os caminhões que fizeram a mudança começaram a sair carregados, levando os pertences dos moradores para um depósito em Nova Guarapari. Muitos moradores conseguiram deixar seus móveis em garagens de casas do próprio bairro, assim como na igreja.

De imediato nenhuma construção será derrubada. A decisão judicial era apenas para a desocupação das casas e barracos que foram construídos no terreno particular. Uma equipe da EDP também retirou as ligações clandestinas de energia elétrica que abastecia a maioria das casas do terreno.

Os "gatos" de energia foram desligados. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Os “gatos” de energia foram desligados. Foto: João Thomazelli/Portal 27

Os moradores mais tensos eram aqueles que moram na região do terreno conhecido como Pica-pau. Ali moram famílias há mais de cinco anos, a maioria com construções de alvenaria e árvores frutíferas. Uma idosa que mora no local passou mal e teve que ser atendida por uma ambulância do Corpo de Bombeiros.

Para muitos, nesta manhã, o sonho de ter uma casa própria foi adiado. “Eu moro aqui há seis anos. Tenho filha pequena e não faço ideia para onde vou com minha família. O juiz manda arranjar lugar para colocar nossas coisas, mas nós mesmos, ele não diz nada. Estamos sendo tratados pior do que animais!” lamentou a vendedora ambulante Ana Paula Félix dos Santos.

Um dos donos da empresa proprietária do terreno, disse que havia dado um prazo para que os invasores do terreno pudessem ser assistidos pela prefeitura ou qualquer outro órgão, mas de acordo com ele, as famílias não aceitaram as propostas de receberem aluguel social ou serem encaminhadas de volta para suas cidades de origem.

Sobre a situação dos moradores que foram retirados do terreno, a prefeitura enviou uma nota dizendo o seguinte:

A reintegração de posse do terreno em São Gabriel foi realizada na data de hoje (16/9). Embora o Município de Guarapari não tenha sido parte no processo, nem ter recebido qualquer comunicação oficial do cumprimento da liminar, deu apoio indireto à operação. O Oficial de Justiça fez contato, durante todo o decorrer da ação, com o Procurador Geral do Município, Dr. Marcos Paulo Dias Gomes, solicitando apoio para algumas demandas. Entre elas, o envio de uma ambulância, o acolhimento para 03 idosos e orientação topográfica, tendo tudo sendo atendimento prontamente por parte da Prefeitura de Guarapari, especialmente pelas Secretarias de Assistência Social, Procuradoria, Saúde e Obras.

Deixe seu comentário