Falta menos de um mês para o incêndio que destruiu completamente o Shopping Praia do Morro e afetou a estrutura do edifício Summer Beach completar um ano. A feira ainda não foi reconstruída, mas o prédio começou a ser reformado nesta segunda-feira (02).

Segundo a administradora do prédio, a obra vai custar cerca de R$ 4 milhões e deve ser entregue em 10 meses. Foto: Rafaela Patrício

Segundo a administradora do edifício, Luciane Pádua, a obra está sendo realizada pela construtora Gotardo e vai custar aproximadamente R$ 4 milhões. “A seguradora do prédio é que está pagando e a previsão é que seja entregue em 10 meses”.

Ela explicou que além de consertar o que foi danificado, a obra vai melhorar a segurança do prédio.  “Vamos consertar o que foi estragado e como a legislação mudou alguns itens sobre a parte de Bombeiros, vamos aproveitar e fazer as adequações, por exemplo, os corrimões que agora são de outro modelo”, disse Luciane. 

O engenheiro responsável pela obra, Reginaldo, explicou que cerca de 20 apartamentos foram destruídos e serão reformados e que áreas comuns do prédio também serão arrumadas. “Vamos colocar os revestimentos, pisos, refazer a parte hidráulica, elétrica e a pintura. A fachada frontal é só substituição de cerâmica e limpeza, agora a fachada lateral tem que ser toda refeita. Ela está bem danificada e é onde mais vai ser mexido”.

 

A lateral do prédio foi destruída pela incêndio. Foto: Rafaela Patrício

De acordo com ele, várias equipes vão trabalhar para entregar a obra no prazo previsto. “Estamos trabalhando com equipes separadas.  Vamos ter uma equipe trabalhando na parte externa do prédio, outra só para o revestimento interno e outra para pintura. São várias equipes trabalhando ao mesmo tempo então estes 10 meses da para gerenciar sim”, afirmou Reginaldo.

Luciane relatou que os moradores entraram com um processo contra o dono da feira para que ele responda pelos danos causados aos apartamentos e seus móveis que também foram danificados pelo incêndio e aguardam a decisão judicial.

Enquanto a obra não fica pronta os condôminos estão morando de aluguel ou na casa de parentes. Apesar das dificuldades, Luciane afirmou que os moradores estão aliviados com a notícia de que em breve vão poder voltar para casa. “Graças a Deus agora a obra está iniciando e pegaram uma empresa boa e que é sólida na cidade.  Agora eles estão começando a ter esperança de voltar para casa em breve”.