Analisando imagens de satélite da NASA (National Aeronautics and Space Administration), a chuva que atingiu o Espírito Santo nos últimos três dias, principalmente no litoral e em Linhares, foi a maior do planeta. As informações foram passadas para o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) pela agência americana.

O volume de chuva registrado neste mês foi mais de 400 milímetros. “Isso é resultado de uma zona de convergência do Atlântico. É uma corrente de ar mais úmida, que liga da Bolívia ao Espírito Santo, passando pelo Norte do Mato Grosso, sul de Tocantins, pegando um pouco do Norte e Leste mineiro, chegando com muita força no nosso Estado e sul da Bahia”, explicou o presidente do Incaper, Evair Vieira de Melo.

imagem_satelite_nasa_es

Chuva intensa até domingo

A previsão do órgão para os próximos dias é de que um grande volume de chuva atinja alguns trechos do Estado. O Incaper diz que a chuva segue intermitente nos próximos dias.Essa chuva ainda pode causar transtornos em determinados trechos, em virtude do grande volume de precipitação observado nos últimos dias e a previsão de mais valores significativos, superando os 150 milímetros até domingo (22).

A chuva volumosa, a qual também está atingindo o Leste de Minas Gerais, pode aumentar o nível de alguns rios que passam pelas regiões Norte, Noroeste e Nordeste do Estado.“Até domingo, existe essa intensidade de chuva no oceano que, lentamente está se deslocando para o continente, por isso todo o Estado precisa ficar em alerta”, comentou o presidente do Incaper.

De acordo com Evair, o solo já está muito saturado, por isso toda chuva vai seguir sentido rio e depois para o mar. “O problema é que, no caminho, a chuva provoca estragos como queda de barreiras, rompimento de barragens e estradas. Todo cuidado é pouco nesse momento”.Outro alerta é para o aumento da incidência de raios, com descargas elétricas maiores que os usuais, principalmente à noite.

 

Deixe seu comentário