Com a crescente competitividade entre as empresas, uma palavra tornou-se corriqueira nos corredores corporativos das pequenas e grandes organizações: inovação. Não é para menos. Para se destacar em meio a tantos concorrentes, em todos os segmentos, é preciso fazer diferente. E para isso é imprescindível possuir um projeto inovador, ter um bom plano de negócio e conhecer bem o nicho em que se instalará. Mas como reunir todas essas informações, algumas delas aparentemente técnicas demais?

Uma solução cada vez mais demandada para ajudar viabilizar estes projetos é a das incubadoras de empresas. Por isso, atenta ao potencial que o mercado oferece, um dos maiores incentivadores da inovação no Estado, o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), decidiu expandir sua incubadora para todos os seus campi, criando núcleos incubadores institucionalizados. O objetivo é explorar as vocações locais de cada unidade do Instituto, que possui, em cada região, uma característica distinta.

A expectativa do Ifes é lançar um edital de pré-incubação nos campi de Serra, Colatina, Ibatiba, Itapina, Cachoeiro de Itapemirim e São Mateus já no mês de agosto.
A expectativa do Ifes é lançar um edital de pré-incubação nos campi de Serra, Colatina, Ibatiba, Itapina, Cachoeiro de Itapemirim e São Mateus já no mês de agosto.

“Os núcleos incubadores nos campi Serra, Cachoeiro, Colatina São Mateus e Vila Velha, por exemplo, têm vocação relacionada às tecnologias industriais, tais como software, automação, mineração, petróleo e química. Já Ibatiba, Itapina, Venda Nova e Alegre têm mais relação com o agronegócio, enquanto em Piúma estamos focados na indústria da pesca e do processamento de pescado. Além disso, os núcleos têm desenvolvido também empreendimentos nos setores da economia criativa e das tecnologias sociais típicas de suas realidades locais e regionais”, destacou o diretor de Extensão Tecnológica do Ifes, Francisco Rapchan.

Entre os parceiros da expansão está a TecVitória, incubadora pioneira no Estado que, há quase 20 anos, ajuda projetos de base tecnológica a entrarem no mercado sabendo explorar todo o potencial de seu empreendimento. “A Tecvitória é uma parceira extremamente importante para a Incubadora do Ifes. Quando, em 2008, conseguimos o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo – Fapes para nosso projeto-piloto, foi a TecVitória a contratada para nos ajudar na elaboração e condução das primeiras ações de incubação. Esta relação se estendeu para além daquele contrato e continua até hoje na forma de ações conjuntas em captação de recursos, execução de projetos e treinamentos”, completa Rapchan.

A expectativa do Ifes é lançar um edital de pré-incubação nos campi de Serra, Colatina, Ibatiba, Itapina, Cachoeiro de Itapemirim e São Mateus já no mês de agosto. Até o final de 2015, deverá criar núcleos em pelo menos outros 15 campi do Instituto. “Embora no início, cada núcleo seja relativamente pequeno, com poucos empreendimentos incubados, a vivência que a comunidade interna e externa destes campi terá nestes ambientes certamente irá acelerar o desenvolvimento de empreendedores inovativos, tão necessários no nosso país”, comenta Francisco Rapchan.

 

A incubadora

Criada em 2008, em parceria com a Fapes, a incubadora do Ifes foi implantada primeiramente no campus de Serra. O projeto foi, então, aprimorado e ampliado em 2010 com recursos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, sendo levada a experiência para os campi de Colatina e Cachoeiro. “Nossa meta é criar, através dos Núcleos de Incubadoras, um ambiente educacional para a promoção do empreendedorismo e da inovação”, finaliza Francisco.

Deixe seu comentário