Mesmo após o anúncio de um acordo com o governo nessa quinta-feira (24),caminhoneiros mantêm pontos de manifestação em diversas partes do país. Pelo acordo firmado ontem à noite entre o governo e representantes dos caminhoneiros, a paralisação seria suspensa por 15 dias.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que ainda não registra desmobilização. O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse hoje (25) que o governo confia no cumprimento do acordo firmado ontem com as lideranças do movimento. “A nossa aposta é que o movimento vá sendo desmobilizado progressivamente. Não sei se terá normalidade total no final de semana. É impossível prever hoje com que tempo vamos ter plena normalidade”, disse. “Temos certeza de que eles irão cumprir o compromisso assumido conosco”, destacou.

Caminhoneiros protestam na Via Dutra. Foto: Cristina Indio do Brasil/Agência Brasil

Acordo. O governo federal se comprometeu a congelar o preço do diesel por 30 dias. Também se comprometeu a zerar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para o diesel até o fim do ano e negociará com os estados, buscando o fim da cobrança de pedágio para caminhões que trafegam vazios, com eixo suspenso. 

“O comando das lideranças não é instantâneo, não é imediato. O governo confia que tudo aquilo que foi ajustado com os caminhoneiros seja cumprido de parte a parte. Nós cumprimos a nossa parte e eles cumprem a parte deles”, acrescentou o ministro. 

O ministro também foi perguntado sobre o uso das Forças Armadas como forma de retomar o abastecimento de itens essenciais. Ele reforçou, entretanto, que o governo acredita no cumprimento do acordo. “Primeiro, nós vamos ver o cumprimento do acordo.”

*Com informações da Empresa Brasil de Comunicação (EBC)

Deixe seu comentário