A operação Steve Jobs, realizada pela Polícia Civil de Guarapari, resultou na prisão de uma quadrilha formada por 7 pessoas, entre elas um menor de 17 anos, que furtou e vendeu uma carga de 915 celulares Iphone S6 Plus. Na manhã desta sexta-feira (31) o delegado Marcos Nery, da delegacia Patrimonial, deu uma entrevista coletiva explicando toda a operação.

A quadrilha é formada por Marcelo Augusto Scalzer Castro, Willian Maria Lollobrigida, Eduardo Barbosa da Rocha, Rosimeri Barbosa da Rocha, Douglas Leopoldino Alvarenga. Além dos seis, também há um menor que foi preso e Samuel de Oliveira Silva está foragido.

Segundo o delegado, a mercadoria no valor de aproximadamente R$ 2 milhões e 200 mil pertencia a uma transportadora. No dia 12 de março ela estava sendo levada em um ônibus que seguia de Vila Velha com destino a São Paulo pelo funcionário da empresa, Marcelo Augusto Scalzer de Castro, de 26 anos, mas quando o ônibus parou na rodoviária de Guarapari ele furtou os aparelhos.

“O funcionário da transportadora que estava acompanhando a carga resolveu subtrair essa mercadoria contratando dois táxis. Eles levaram essa mercadoria para o bairro Primeiro de Maio, em Vila Velha, que é uma área conhecida por ser perigosa e onde ele encontrou amparo para esconder as mercadorias”.

Já em Vila Velha Marcelo recebeu a ajuda de Willian de Maria Lollbrigida, de 24 anos, que tem mandado de prisão por homicídio, e Samuel de Oliveira Silva, que está foragido. O delegado relatou que os três tinham problema com tráfico em Terra Vermelha. “Eles nasceram em Terra Vermelha e tem passagem por tráfico de drogas. Os três tiveram problema com o tráfico lá e foram expulsos da região. Aí decidiram levantar um dinheiro para poder comprar armas, carro e drogas para tentar retomar o tráfico de drogas de lá”.

O delegado Marcos Nery disse ainda que “o Marcelo Augusto confessou que a intenção dele era sequestrar o dono das mercadorias e levar o dinheiro dele”. O próprio Marcelo disse que está arrependido. ” Estou arrependido, mas há tempo para tudo. Para se arrepender e continuar. Mas eu não vou continuar não”.

Ainda de acordo com o delegado, logo no primeiro dia que eles estavam com essa mercadoria venderam cerca de 700 celulares. Mas no dia 14 de março a quadrilha começou a ser presas. “Fizemos prisões dos receptadores e fomos identificando eles. No dia 14 conseguimos recuperar uma caixa com 170 celulares. No dia 16 recuperamos mais duas caixas na casa do Willian. Ele tentou fugir pulando do terceiro andar. Nós continuamos as ações e conversamos com familiares e eles resolveram devolver mais uma caixa no bairro Santa Rita. Mas antes disso nós prendemos 5 pessoas por receptação”.

A operação segui e na madrugada desta sexta-feira novos integrantes da quadrilha foram presos. “Recebemos a informação de que o Marcelo junto com o Willian e o menor, que era responsável por fazer o transporte deles, estavam na casa da mãe do Marcelo, em Terra Vermelha. Nós chegamos lá e eles estavam com essas duas armas de fogo. Estavam em cima do telhado esperando qualquer situação”.

Alguns dos celulares recuperados, armas, munições, notebook e até máquina de cartão foram apreendidos com a quadrilha.

Para recuperar mais uma caixa de aparelhos celulares a polícia seguiu atrás de mais membros da quadrilha.  “Fomos até a casa da mãe do Tiago Barbosa, de 29 anos. Mas ele estava escondido com o Douglas  Leopoldino Alvarenga e a Rosemeri Barbosa da Rocha, de 43 anos, quando chegamos na casa dele, os três jogaram aparelhos celulares para o lote vizinho e para todo lado. Lá achamos mais uma pistola, munição de 380, notebook, máquina de cartão e com o Thiago tinha a caixa que estava faltando, em que havia 160 celulares”.

De acordo com o delegado, Rosemeri é mãe de outro membro da quadrilha, Eduardo Barbosa da Rocha,26 anos e tia do Tiago. A família estava com uma caixa contendo cerca de 170 celulares e também é suspeita de cometer furtos no prédio onde trabalhavam. “Eles trabalham em um condomínio de luxo no bairro Santa Lúcia, em Vitória, e os moradores narraram para gente que ocorriam diversos furtos no local. Então provavelmente essa família era responsável por esses furtos. Nós estamos aparando e vamos passar estes fatos para a Patrimonial de Vitória. Essa família vendeu na região de Aribiri, Glória e Centro de Vila Velha cerca de 100 aparelhos por preços irrisórios”.

Ao todo a quadrilha roubou cinco caixas e uma mala com os telefones. A polícia recuperou os aparelhos nos bairros Zumbi dos Palmares, Santa Rita, Porto Santa, Flexal, Primeiro de Maio e Terra Vermelha. Quatro caixas foram recuperadas e devolvidas para a transportadora. Mas ainda existem telefones a serem recuperados. “Sabemos que tem cerca de 170 aparelhos na rua. Então a gente solicita que as pessoas que adquiriram os telefones dessas pessoas por preços irrisórios nas regiões de Terra Vermelha, Barramares, Santa Rita e Primeiro de Maio, que compareçam espontaneamente na delegacia para que não tenham que ter lavrador o flagrante pelo crime de receptação”.

Delegado Marcos Nery relatando o resultado da Operação Steve Jobs.

“O crime de furto só existe porque existe o receptador e a nossa sociedade, infelizmente, cobra de um lado e de outro ela faz esse tipo de coisa. Como pode uma pessoa querer um país melhor se ela vai lá e compra um aparelho que custa R$ 3.000,00 por R$1.000,00 incentivando o crime? Isso volta contra a própria sociedade. Eles estavam querendo vender esses aparelhos para comprar armas e cometer novos crimes, entre eles assaltos e sequestros. Inclusive eles só cometeram o furto porque acharam que seria mais fácil do que sequestrar porque a intenção mesmo era sequestrar o dono da mercadoria e conseguir subtrair dinheiro dele”, disse o delegado.

Celulares recuperados pela polícia. Foto: Polícia Civil

De acordo com a polícia, a quadrilha vai responder pelos crimes de furto qualificado pelo concurso de pessoas, associação criminosa qualificada pelo uso de arma de fogo e pela presença de menor, corrupção de menores, receptação e associação criminosa e porte ilegal de arma de fogo.

Comments are closed.