Um artigo recentemente publicado na revista “Meteor News” despertou olhares para os alunos de uma escola pública de Guarapari. Muita gente não sabe, mas desde 2018 os alunos, sob orientação da professora Lúcia Helena Horta Oliveira, desenvolvem o projeto “Estamos de olho no céu”.

Lúcia, que é mestre em ensino de Física pelo Instituto Federal do Espírito Santo e pesquisadora na área de Meteoros, estrelas de Nêutron e física nuclear, conta que a intenção do projeto é agregar alunos da escola, de modo a “desenvolver a vontade da iniciação científica a todos os que tem vontade através do estudo da astronomia”, por isso não há distinção de turmas e turnos. “Antes da pandemia, contávamos com 51 alunos”, contou a professora.

Lúcia, que é mestre em ensino de Física pelo Instituto Federal do Espírito Santo e pesquisadora na área de Meteoros, estrelas de Nêutron e física nuclear,

De acordo com a professora, que dá aulas de física no turno regular e de astronomia no contraturno da Escola de Ensino Médio Dr. Silva Mello, o aluno Felipe dos Santos Bermond vem se destacando. “Ele foi vencedor da mostra de astronomia do ano passado com o tema “meteoros da constelação de hydra” e teve seu trabalho selecionado para a feira internacional de ciências jovem do estado do Pernambuco, onde participam trabalhos vencedores em mostras de todo o Brasil e de vários outros países”, afirmou.

O projeto “Estamos de olho no céu”, segundo a docente, tem parceria com uma rede de astrônomos amadores. “A escola também faz parte desta rede e tem o intuito de analisar os dados coletados nas câmeras espalhadas no Brasil todo e de buscar objetos e dados interessantes aos estudos científicos”, declarou.

O projeto do grupo de astronomia da Escola Estadual de Ensino Médio Dr. Silva Mello conta com uma estação de videomonitoramento de pequenos objetos. Segundo Lúcia, “o projeto conta com uma câmera com lente especial que monitora uma área específica do céu noturno e trabalha na suíte UFO Capture e Analyzer, em parceira com o projeto EXOSS Citizen Science Project”.

Os alunos participam ativamente da análise de dados. “Fazemos uma coleta dos dados, analisamos os interessantes e então estudamos tudo sobre o objeto analisando os dados que colhemos em nossas câmeras. Os alunos têm um papel de suma importância, pois, além de ajudar em todo o projeto, participam das reuniões e aprendem com os experts do observatório nacional que ajudam nos detalhes mais complicados”, afirmou a professora.

Sobre o artigo intitulado “Estudo de um caso interessante de um meteoro lento do tipo órbita Atena”, a docente destaca a importância do aluno Felipe dos Santos Bermond. “O Felipe representa a escola com a apresentação do artigo por vídeo, concorrendo a bolsas na II feira de ciências e tecnologia do MCTIC e na III mostra estadual de Astronomia do Espírito Santo (UFES)”.

Lúcia, que estima produzir pelo menos um artigo internacional por mês, conta que visa incentivar despertar o interesse pela ciência e quem sabe fazer com que seus alunos sejam incentivados a seguir carreira na área. “A ideia de produzir o artigo partiu da iniciativa de que temos uma rede com 56 câmeras gerando dados o tempo todo e esses dados podem trazer estudos muito interessantes para nossos alunos. A ajuda de cientistas experientes pode fazer com que esses alunos sejam incentivados a uma carreira científica também”, afirmou.

No artigo publicado na revista “Meteor News”, os alunos, juntamente com a professora escreveram sobre a análise de um objeto com trajeto muito lento observado nas câmeras de videomonitoramento. “No artigo, apresenta-se entre os dados colhidos pela rede de videomonitoramento a análise de um objeto com trajeto muito lento, diferenciando-se dos objetos estudados normalmente. Esse objeto foi escolhido por ser peculiar, o que chamou a atenção dos alunos, buscando um estudo mais aprofundado”.

Lúcia fala dos resultados. “Já tivemos 8 trabalhos apresentados na I mostra Estadual de Astronomia da UFES, com 1 trabalho finalista que recebeu 3 bolsas de estudos da CAPES. Na II Mostra Estadual de Astronomia da UFES, tivemos 1 trabalho que ficou em primeiro lugar das escolas estaduais do Espírito Santo. Fomos selecionados para a feira internacional de ciência jovem (2020), para a III mostra Estadual de Astronomia da UFES 2020 (concorrendo a bolsa de estudos -em andamento), e para a II feira Virtual de Ciências da AEB (concorrendo a bolsas de estudos – em andamento)”, afirmou a docente.

A escola Silva Mello e a professora têm intenção de abrir o projeto aos interessados. “Durante esses 2 anos de projetos muitos alunos entraram e muitos saíram. Em 2019 tivemos salas de astronomia no contraturno com 70 alunos. A intenção da escola e minha é de abrir essas aulas e esses projetos a todos que tenham interesse de participar e não somente a alunos da escola. Os alunos seriam os protagonistas para a educação não formal da população que tivesse interesse”, afirmou.

Para as próximas pesquisas, Lúcia conta animada. “Já temos um bólido muito interessante para ser analisado que já está sendo escrito, e temos um estudo sobre o meteoro que caiu em Santa Filomena. Conseguimos vários dados com a parceria que temos com a NASA”, finalizou.

Confira o artigo na íntegra: Estudo de um caso interessante de um meteoro lento do tipo orbita Atena.

Deixe seu comentário